sexta-feira, 18 de maio de 2007

Maciel pra presidente

Estou pensando seriamente em lançar candidatura para o cargo de presidente da FIA. Já que o Max não dá conta do recado, temos que nos organizar para dar um golpe, antes que ele aprove as seguinte regras para o mundial de 2011.
"Estamos em negociação com os grandes Construtores para que, no futuro, as pesquisas e desenvolvimentos alcançados na F-1 sejam mais relevantes para a indústria automotiva. Queremos que as novas tecnologias voltadas para a preservação do meio ambiente sejam nossa prioridade", afirmou Mosley.
Até aí tudo bem. No entanto, as mudanças previstas envolvem a utilização de motores V6 turbocomprimidos, de 2.2 litros, alimentados por biocombustível e que geram cerca de 770 cavalos de potência. Espera-se uma limitação de giros na faixa de 10 mil rpm, sendo que a resistência dos propulsores sejam suficientes para cinco fins de semana seguidos de GP. Também são previstas o uso do controle de tração, tração nas quatro rodas e um “power boost” de 13s por volta.
Minha proposta é a basicamente a seguinte: pegue o parágrafo acima e inverta tudo. Pronto, agora você escolhe quem é o melhor candidato.
E nem adianta olhar desse jeito. Cara feia pra mim é de quem tem fome ou de quem perdeu as eleições.
É inacreditável ver tanta mudança ruim desse jeito! Motor com 10 mil rpm? Praticamente metade do que era há poucos anos atrás. Propulsor para cinco corridas? Cinco?! Cinco!?!?! E os V6? Se continuar assim, vai chegar um tempo em que teremos motores V zero. Os pilotos vão empurrando o carro do início ao fim da corrida.
As idéias dos biocombustíveis, na verdade, são importantes e necessárias. Mas já que querem preservar o meio ambiente, por que não começam acabando com a poluição visual? Vamos tirar aquelas parafernálias aerodinâmicas que valorizam mais o trabalho do engenheiro que o do piloto. E, é claro, abolir o controle de tração, isso não precisa nem discutir.
A FIA insiste em baixar a potência sem comprometer a parte aerodinâmica. Deveria ser o contrário, assim a dirigibilidade se tornaria bem mais complexa, dificultando para os pilotos ao invés de facilitar. Os carros atuais são fáceis de pilotar, se ficar ainda mais fácil eu esqueço a candidatura para presidente e inicio a carreira de piloto de F1 sem passar pelas categorias de base. Eu e o resto do mundo.
Ah, tração nas quatro rodas pra quê? Foi o Kovalainen que pediu, ou teria sido o Alonso?

8 comentários:

gvilleneuve disse...

a tração nas 4 rodas foi o Alonso que pediu, pode ter certeza!
depois de ter praticado rally na primeira curva da última corrida, ele deve ter pegado gosto pela coisa...

Rodrigo disse...

Tração nas 4 é ridículo. Daqui a pouco fazem os F-1 andar em trilhos....

Gabriel Souza disse...

Muito bom Felipe! Concordo com suas sugestões totalmente!! Apoio total a sua candidatura!!! Quanto ao golpe, é melhor nos organizarmos já! Acho que o Ron pode cuidar disso, vc concorda?

Ron Groo disse...

Já estou cuidando da sua campanha, agurde post.
Quanto A tração nas quatro rodas? Meu deus, vai ter corrida na lama?
E Rodrigo, nos trilhos eles jà andam, o tal trilho aerodinamico e de pista limpa...Vai vendo...
Ron Groo

Felipão disse...

"As idéias dos biocombustíveis, na verdade, são importantes e necessárias. Mas já que querem preservar o meio ambiente, por que não começam acabando com a poluição visual? Vamos tirar aquelas parafernálias aerodinâmicas que valorizam mais o trabalho do engenheiro que o do piloto. E, é claro, abolir o controle de tração, isso não precisa nem discutir."

CLAP!CLAP!CLAP!CLAP!CLAP!CLAP!

Só posso aplaudir!

Ron Groo disse...

Pronto Felipe, já lancei as bases de sua candidatura...E do Golpe também, já está tudo lá no bliggroo. A luta companheiro!!!!!
Groo

Aline disse...

Conte com o apoio de Lyn Williams, caro Felipe!

Aline disse...

Ô Felipe, continuo a seu lado, mas depois daquele comentário meu apoio sofreu um reajuste :D